TEA PARTY, AYN RAND E A FILOSOFIA DO ÓDIO

Por Afonso Teixeira Filho

Imagine que eu queira provar a você que o melhor sistema político seja a teocracia. E, para isso, eu escreva um romance.

aynrand

Ayn Rand

O romance fala de um grupo de ateus que vai viver isoladamente no meio do mato. Constroem uma sociedade baseada na descrença total. Com o tempo, passam a não acreditar mais um no outro e a sociedade, por fim, acaba se desintegrando. Entretanto, umas poucas pessoas, que se amavam, passam a propagar a fé no outro e, graças a isso, reconstroem parte da sociedade destruída. A partir daí, passam a acreditar também em divindades, por decorrência da fé pessoal.

Tudo o que foi exposto concatena-se logicamente. A falha está na maneira como a trama foi construída. Foi idealizada para provar a tese de que é melhor ter fé do que ser ateu. Em primeiro lugar, não existe comprovação lógica de que a sociedade de ateus se desintegraria; segundo, isso poderia ocorrer por outros motivos que não a falta de confiança; terceiro, todas as interferências externas foram removidas da trama; e, por fim, por que os ateus tiveram de construir uma sociedade aparte, senão para provar uma tese?

É mais ou menos assim que se comportam os romances de Ayn Rand. A escritora norte-americana, de origem russa, para defender seus pontos de vista, constrói alegorias que conduzem sempre à comprovação das ideias ultraconservadoras da escritora.

Ayn Rand esteve envolvida nas mais odiosas atividades que um intelectual podia se envolver, perseguindo comunistas, defendendo os ideais (capitalistas) da sociedade americana. Era fanática defensora do liberalismo, e fundou uma filosofia a que chamou de Objetivismo, o que, em linhas gerais, significa a legitimidade de se viver em sociedade sem se importar com o próximo. É a filosofia do Tea-Party.

Rand teve, entre seus discípulos, ninguém menos do que Alan Greenspan, chefe do Federal Reserve, e que confessou, ao final da vida, que tudo aquilo em que ele acreditava demonstrou-se errado quando estourou a crise hipotecária nos Estados Unidos.

Dos romances de Rand, os mais importantes são The Fountainhead (no Brasil, A nascente) e Atlas Shrugged (no Brasil, A revolta de Atlas). De sua obra filosófica, destaca-se The Virtue of Selfishness (algo como, A virtude de ser egoísta).

Tudo o que essa senhora pregou na vida foi o individualismo, o egoismo e o capitalismo. O problema de sua filosofia era a desonestidade. Os raciocínios de Rand não eram profundos, não desenvolvia uma crítica sistemática e não argumentava racionalmente. O capitalismo era melhor por que era melhor. O comunismo era pior por que era pior. Mesmo a tentativa de desenvolver o tema do individualismo não foi feliz. Para provar que o homem tinha direito de viver sem se preocupar com os outros (o que significa não ter de pagar impostos), acabou defrontando-se com um problema moral. E teve de deixar a moralidade de lado para poder continuar a desenvolver as ideias do individualismo. O individualismo não teria de ser um sistema vantajoso para a sociedade, mas apenas para os indivíduos. Os indivíduos, sendo felizes, tornariam a sociedade igualmente feliz. Mas, se ela chegasse à conclusão (conclusão que sempre procurou evitar) de que a sociedade de indivíduos não seria feliz, diria que a felicidade importa menos do que a individualidade. Mas não chegou a tanto.

As ideias de Rand deram origem ao Partido Libertário Americano e hoje, esse partido (sulista, por sinal) já colocou os pés no Brasil.

Os libertarianos brasileiros defendem acirradamente a escola austríaca de Economia; atacam Marx e o comunismo. etc. Mas nunca argumentam. Quando se atrevem, costumam valer-se de dados tirados de jornais sem comprovar a fonte nem a veracidade das informações. Mas, na maioria das vezes, fogem da discussão. Para eles, todo comunista é ignorante; se esse comunista for um doutor ou catedrático, é porque foi formado em uma universidade padrão-MEC.

O libertarianismo virou uma espécie de religião do tipo da Ku-Klux-Klan. Perseguem a esquerda e planejam formar um grupo de caça ao comunismo. Têm como deuses o esquecido Ludwig von Mises (um economista sem a menor importância) e Ayn Rand (a filósofa do egoísmo). Acreditam que Milton Friedman seja uma sumidade da economia (a única pessoa reprovada em uma defesa de tese na história do mundo) e, no Brasil, contam com uma espécie de guru: um sujeito chamado Olavo de Carvalho, considerado um filósofo ultraconservador, mas que, na verdade é uma pessoa com sérios problemas mentais.

Trata-se de um bando de imbecis sendo guiado por um sujeito anormal.

Tudo isso serve para comprovar que uma ideia torta só resulta em ódio e destruição. Os libertarianos provaram que a filosofia de Ayn Rand não serve para melhorar a sociedade, mas para destruí-la. Não à maneira dos anarquistas, mas à maneira dos nazistas, com guerras, ódios, preconceitos e perseguições.

11 Respostas para “TEA PARTY, AYN RAND E A FILOSOFIA DO ÓDIO

  1. Vocês não tem vergonha de apoiar uma ideologia que já matou centenas de milhões de pessoas e até hoje faz com que pessoas se submetam à ditaduras sanguinárias e façam – nas passar todo tipo de privação enquanto seus líderes tem tudo de bom? Que vergonha! Façam um favor ao mundo e se matem!

    Curtir

    • Independentemente da nossa opinião sobre os governos que você menciona, que não e de cuja ideologia não compartilhamos, os 100 milhões de pessoas é um mito grotesco e absurdo, criado com o único intuito de tentar ocultar os milhões de pessoas assassinadas por Hitler e pelos capitalistas democráticos.

      Curtir

  2. Percebe-se que você nunca leu o livro. Tá tudo errado. Não entende nada do assunto.

    Curtir

    • será que esse argumento, que alega a ignorância alheia, vindo de direitistas que são notoriamente ignorantes e obtusos convence alguém?

      Curtir

      • “será que esse argumento, que alega a ignorância alheia, vindo de direitistas que são notoriamente ignorantes e obtusos convence alguém?”

        Engraçado que você acabou de se tornar EXATAMENTE o que xingou no texto. Deixa eu parafrasear pra você:

        “Mas os comunistas, na maioria das vezes, fogem da discussão. Para eles, todo direitista é ignorante; se esse direitista for um doutor ou catedrático, é porque foi formado em uma universidade imperialista”

        Curtir

      • Absolutamente, nós apenas contestamos a maneira como foi feita a discussão. Não há como fugir de uma discussão onde o grande argumento, que seria o de a outra parte ser ignorante, não é acompanhado de nenhuma demonstração.

        Curtir

  3. Percebe-se que o texto só contém ataques pessoais. Típico de alguém que não possui conhecimento, e muito menos carácter. A filosofia da Rand se baseia na razão, na importância dela para a vida do indivíduo, pq sem ela, o homem é apenas um crente, sem possibilidades de construir basicamente nada. Ou seja, um não-humano. A Razão é o que faz o indivíduo ser auto-consciente. Então veja agora como o texto apresentado é extremamente desonesto. Leiam Rand.

    Curtir

  4. Moro próximo de Parelheiros e acompanhei a campanha do candidato Raimundo Sena ao governo de SP. Achei muito interessante a quantidade de pessoas que foram mobilizadas pelo discurso, principalmente a dissolução da PM sem propor uma solução e pergunto: vamos tirar a PM e por quem no lugar?
    Já sugeri a Cynara Menezes do Socialista Morena algum artigo bem fundamentado refutando as principais acusações que o pensamento conservador de direita faz à esquerda clássica. Ela declinou do convite, mas vejo pela sua participação que vcs não fogem do debate honesto e fica a sugestão.

    “Trata-se de um bando de imbecis sendo guiado por um sujeito anormal.””

    Sinceramente não me considero imbecil, mesmo não concordando com tudo que o Olavo diz, também não acho que todos os comunistas são desonestos intelectuais que compactuam com atrocidades cometidas no século XX.

    Em tempo, comentários como este abaixo não ajudam em nada o diálogo, extremamente necessário para pessoas que querem bem ao país.

    Curtir

  5. Isso prova que nunca leu o livro de rand e não consegue ao menos falsear seus argumentos.

    Misticos do Músculos que sacrifica os homens em nome do coletivismo popular.

    Curtir

  6. “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é!”
    Lênin

    Curtir

  7. Sei que é desnecessário ficar discutindo, mas… Pelo visto você não conhece nada dos libertários! Primeiro, não temos deuses… Não idolatramos Friedman (que é socialista) e nem (muito menos) Olavo de Carvalho. Alguns pontos de Mises são utilizados, mas nem todos. Procure conhecer melhor antes de escrever qualquer coisa. Se for a fundo nos estudos, tenho certeza que será um de nós! Abraços!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s