Polarização eleitoral: Sanders expressa crise social e política dos EUA

Os indícios de uma possível vitória do pré-candidato democrata contra Hillary Clinton mostram a extrema polarização e a mobilização durante as eleições presidenciais

150429103538-bernie-sanders-gallery-photo-5-super-169.jpg

O empate entre Bernie Sanders, senador pelo estado de Vermont, e Hillary Clinton, candidata de Wall Street nas primárias do Partido Democrata, no caucus de Iowa no dia 1º contrariou as previsões alardeadas pela imprensa, as pesquisas eleitorais e o mercado financeiro. Sanders era considerado, pelo menos para fins de propaganda, como um candidato sem nenhuma possibilidade de concorrer com Hillary pela nomeação. A votação em Iowa, no entanto, terminou com uma diferença de 0,2% a favor de Hillary. A vitória foi de Bernie Sanders, e deixou evidente que sua candidatura tem uma base real, mesmo contra o aparato eleitoral de Clinton, financiada por grandes capitalistas.

Um candidato à esquerda

A imprensa burguesa procurou diminuir esse fato destacando nas manchetes a vitória de Hillary Clinton em Iowa. Sanders, que era considerado fora do páreo, é favorito na votação do próximo estado, New Hampshire.

Em Iowa, o candidato vencedor das primárias não leva todos os delegados, como acontece em outros estados. Sanders pode sair de New Hampshire na frente de Hillary, partindo para uma disputa acirrada contra a campanha milionária da ex-Secretária de Estado.

Em seu discurso depois do resultado, em tom vitorioso, Sanders destacou que não é financiado por bilionários, apresentando o número de 3,5 milhões de contribuições individuais à sua campanha, com uma média de 27 dólares por doação, apresentando a campanha como a luta do homem comum contra os milionários.

Entre as propostas de Bernie Sanders estão um salário mínimo de15 dólares por hora, igualdade salarial para as mulheres, a criação de um sistema público de saúde, ensino superior público gratuito, aprovação de uma lei que fortaleça os sindicatos dos trabalhadores e mais impostos sobre os ricos e os especuladores. Por isso Sanders é chamado de “socialista” nos EUA, onde o regime imperialista é muito direitista. Sanders representa uma classe média de esquerda ligada à classe operária, assustada com a crise social e que exige reformas. Uma reação à política atual, que está caminhando para um desastre.

Superando Obama

Essas propostas atraíram os eleitores mais jovens do partido em Iowa. Entre os eleitores com menos de 29 anos, Sanders venceu Clinton por 84 pontos a 14. Entre os eleitores com menos de 50 e mais de 30, Sanders venceu por 53 a 37. É uma geração que elegeu Obama, que prometia mudanças mas não mudou nada. Depois dessa experiência com Barack Obama, os eleitores democratas estão se deslocando mais à esquerda, para uma alternativa mais definida às políticas atuais do regime norte-americano. O próprio Obama já expressava uma crise do aparato político do regime. Sanders expressa o aprofundamento dessa crise e a tendência à perda de equilíbrio, devido à polarização.

A crise e os salários

Não é à toa que Sanders destaca em sua campanha o problema salarial e de dar mais voz à classe trabalhadora e fortalecer os sindicatos. A imprensa burguesa dá muito destaque ao fato de que a taxa de desemprego nos EUA é baixa atualmente. No entanto, entre 2008 e 2014 houve uma perda salarial dos trabalhadores de 23% em média. Os empregos recuperados depois da crise pagam muito menos. Houve um aumento da exploração para fazer os trabalhadores pagarem pela crise.

Um regime corrupto

Em sua campanha, Sanders tem denunciado que o regime político norte-americano é um regime corrupto, em que alguns bilionários compram as eleições para colocar quem eles quiserem no poder. Enquanto a esquerda pequeno-burguesa brasileira acredita na democracia aqui, no Brasil, crença que a leva a defender que não haveria uma tentativa de golpe em curso, um político do Partido Democrata norte-americano denuncia a corrupção da democracia e sua submissão ao poder econômico.

Um candidato assim concorrendo contra Hillary e tendo chances expressa também a crise social dos EUA. Trata-se de uma crise do imperialismo, que vem encontrando dificuldades para manter seu domínio. A invasão do Iraque terminou sendo um grande fracasso e abriu uma crise na região, sem que os EUA conseguissem impor seu controle e causando um grande impacto econômico para os norte-americanos, diretamente relacionado ao colapso capitalista de 2008. É nessa conjuntura que uma candidatura como a de Sanders pode vencer a indicada do mercado financeiro, Clinton. Jeremy Corbyn, na Inglaterra, expressou esse mesmo fenômeno ao ganhar a liderança do Partido Trabalhista britânico.

É por causa dessa crise que o imperialismo lança tentativas de golpe em todo o mundo para tentar impor governos leais a seus interesses. É fundamental para a manutenção do regime nos EUA o roubo praticado pelo imperialismo em todos os países atrasados. É por causa dessa crise que há uma tentativa de golpe de golpe em curso hoje no Brasil e em tantos outros lugares.

Uma resposta para “Polarização eleitoral: Sanders expressa crise social e política dos EUA

  1. Que sirva para a esquerda brasileira dar um F5.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s